26 de outubro de 2009

Uma crônica da Elogiomânia


Há uma frase atribuída a Einstein que diz: “A imaginação é mais importante que o conhecimento”. Em se tratando de Clive Staples Lewis, falamos então de um homem da mais alta importância, de um verdadeiro mestre da imaginação.
Quem quiser percorrer as páginas de sua autobiografia espiritual, Surpreendido pela Alegria, constatará que sua própria visão de mundo era perpassada pela imaginação de muitos outros mundos, países e povos, vivos pelo coração e com os contornos que a mente lhes poderia conferir.
Como todo bom escritor, Lewis começa como um excelente leitor de clássicos imortais e, em sua obra magna, As Crônicas de Nárnia, faz uso de toda a erudição que tinha, da maneira mais gostosa e leve possível, convidando o leitor a aventuras em reinos distantes, em mares bravios, ao encontro com bestas, feras e dragões, e, acima de tudo com o rei dos mundos, o Leão, o Leão de Verdade.
Entretanto, não se sente qualquer afetação em Lewis. São mãos honestas que escrevem. Honestas, e de um poder, por que não, mágico, que vem de fora. Ele escreve do encontro maravilhoso com o divino como um fã das boas histórias, contadas, não por manuais de religião, mas por um tio ou um amigo muito legal da família, que acho que todos nós gostaríamos de ter quando éramos mais novos.
Aliás, Nárnia faz que eu me sinta perigosamente mais menino, louco para poder também participar das aventuras, montar em corujas, fugir de gigantes, lutar contra feiticeiras, e, acima de tudo, lutar ao lado de Aslam, no auge de seus selvagens ímpetos.
Além disso, não se pode deixar de aproveitar o privilégio de ler as cenas de batalha vindas da pena de alguém que lutou na Primeira Guerra Mundial e que, na Segunda Guerra estimulou pelo rádio os ingleses a refletirem sobre suas vidas de forma a enxergar que o verdadeiro inimigo, acima de qualquer alemão, estava a ser vencido dentro de cada um de nós: o orgulho.
É em Cristianismo Puro e Simples, que C.S. Lewis, como um homem formado e formador de tradição em duas das melhores universidades do mundo fala como um igual, uma pessoa absolutamente comum, com um punhado de bons exemplos sobre a fé cristã. Parece um amador falando, mas com um conhecimento de um perito.
Escrever mais aqui sobre Nárnia talvez fosse de péssimo gosto, pois o filme já vai começar daqui a pouco. Quem sabe este não seja um primeiro convite às outras crônicas?
Deixaria aqui marcadas as palavras de elogio a um santo da igreja bendita de Jesus, o irlandês que teve as parábolas adequadas para o século XX. Um homem que viu beleza e simplicidade por trás da complexidade da fé e soube transmitir verdades incalculáveis até mesmo para a menor idade.
Se há algo que se pode falar sobre a história da fé, é que ela é incrível e, se apanharmos nossas bíblias, veremos que muitas vezes (muitas mesmo) a teologia mais adequada é contar histórias. Desde a formação do mundo, e chegando até Jesus, temos histórias que importam e histórias que pedem para ser contadas e recontadas, até que entendamos de onde partem e para onde querem nos levar.
C.S. Lewis as expõe em alto e bom som nas Crônicas de Nárnia. Basta uma mente aberta e um coração disposto para descobrir que a vida, de fato, é bem mais impressionante do que parece, com um céu aberto para além das estrelas, na presença do personagem mais fantástico e real que sempre existiu. Nossa ida para lá, estas novas terras, estes novos céus, deve ser de uma aventura emocionante, que nos vale o preço de nossa própria caminhada, de nossa jornada em meio aos perigos da vida, da distância, da descrença, da falta de amor, e da morte.
Mas por fim (Ah! Como os bons romances têm que ter um final maravilhoso!), quando a entrega é verdadeira, a aventura é sem fim.
Nas palavras finais de C.S. Lewis em Cristianismo Puro e Simples:
“Quão monótona é a semelhança que iguala todos os grandes tiranos e conquistadores; quão gloriosa é a diferença dos santos!
Mas o eu precisa ser entregue de verdade. Você tem, por assim dizer, de lançá-lo fora “às cegas”. Cristo de fato lhe dará uma personalidade nova, mas não é por causa disso que você deve buscá-lo. Enquanto estiver preocupado com sua personalidade, você não estará caminhando na direção dele de modo algum. O primeiro passo consiste em procurar esquecer completamente de si mesmo. Seu novo eu, seu eu verdadeiro (que é de Cristo e também é seu, e é seu justamente porque é dele) não surgirá enquanto você estiver procurando. Só surgirá quando o objeto de sua procura for ele. Acaso isso parece estranho? Saiba que o mesmo princípio vigora em assuntos muito mais terrenos. Mesmo na vida social, você jamais causará boa impressão a outras pessoas enquanto não parar de pensar na impressão que está causando. Mesmo na literatura e na arte, ninguém que se preocupe especificamente com a originalidade poderá jamais ser original; ao passo que, se você tentar falar a verdade (sem ligar a mínima a quantas vezes a mesma verdade já foi declarada no passado), nove vezes em dez será original sem percebê-lo. Esse princípio rege a vida inteira, do começo ao fim. Entregue-se, pois assim encontrará a si mesmo. Perca sua vida para salvá-la. Submeta-se à m0rte, à morte cotidiana de suas ambições e dos seus maiores desejos e, no fim, à morte do seu corpo inteiro: submeta-se a ela com todas as fibras do seu ser, e você encontrará a vida eterna. Não guarde nada para si. Nada que você não deu chegará a ser verdadeiramente seu. Nada que não tiver morrido chegará a ser ressuscitado dos mortos. Se você buscar a si mesmo, no fim só encontrará o ódio, a solidão, o desespero, a fúria, a ruína e a podridão. Se buscar a Cristo, o encontrará; e, junto com ele, encontrará todas as coisas.”
1

Palavras imortais, atemporais, da magia mais profunda.

1- LEWIS, C.S. Cristianismo Puro e Simples. São Paulo: Martins Fontes, 2005.
-Texto escrito e lido por ocasião de um encontro da Igreja Batista do Caminho, em que assistimos ao filme O Leão a Feiticeira e o Guarda-roupa.

3 comentários:

Anônimo disse...

viagra attorney columbus cheapest viagra viagra pill viagra on line low cost viagra how does viagra work viagra uk cheap purchase buy cheap viagra overnight cheapest viagra viagra covered by insurance viagra liver damage try viagra for free which is better cialis or viagra cheap generic viagra

anareis disse...

Estou fazendo uma Campanha de Natal para crianças necessitadas da minha comunidade carente aqui no Rio de Janeiro,são crianças que não tem nada no Natal,as doações serão destinadas a compra de cestas básicas-roupas-calçados e brinquedos. Se cada um de nós doar-mos um pouquinho DEUS multiplicará em muitas crianças felizes. Se voce quiser ajudar é fácil,basta depositar qualquer quantia no Banco do Brasil agencia 3082-1 conta 9.799-3 Voce verá como doar faz bem a Alma,obrigado. meu email asilvareis10@gmail.com

Marcello de Oliveira disse...

Shalom!

Uma alegria conhecer seu blog. O Eterno resplandeça o rosto Dele sobre ti!

Medite no Salmo 36.8,9

Nele, Pr Marcelo

P.s Visite:

http://davarelohim.blogspot.com/

e veja o texto:

O tempo da minha partida - 2 Tm 4.6

Vil Homem Simples


"E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade; e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai."(João 1,v. 14)
Sempre existiu algo intangível na Palavra. Mas isso já foi quebrado.