24 de junho de 2009


Arte é definida como “a capacidade humana de criação e sua utilização com vistas a algum resultado, obtido por diferentes meios” (Aurélio).
Olhando pra Bíblia, vemos a manifestação de diferentes gêneros literários e uma verdadeira profusão de poesia que vai do piedoso ao erótico, como nos Salmos e em Cantares. Há no texto santo as expressões de um povo e sua cultura, com suas peculiaridades, e elas querem dizer do Deus criador, do seu Deus, que, ao mesmo tempo, é o único Deus, criador, criativo, artístico.
Assim sendo, se cremos num Deus criador e se a arte é possível, deve ser também possível enxergar que a arte é algo que nos relaciona ao divino nas criações humanas. Que é uma graça para que também, em liberdade, seja o homem um artista, um pequeno criador, em harmonia com o plano divino. Naturalmente, não poderemos nunca colocar o homem em pé de igualdade com o seu Criador divino, mas o esforço artístico deve ser contemplado como parte da vida humana em que a possibilidade de criar lhe é inerente, mas quem o dota de tal capacidade é o ser transcendente.
Daí, de observar e experimentar a natureza, suas cores, seus odores, sua música, sua textura indelével, o homem cria, recria e anda, não em marcha, mas em dança existencial expressando o divino e o diabólico que há nele.
O grande desafio ao cristão, a partir desta perspectiva, é expressar naturalmente o divino que nele habita, seja onde, como e do jeito que for.
- Texto escrito e lido por ocasião da Mesa Teológica de 20 de junho de 2009. Origado, Bianca e Silvestre!

Vil Homem Simples


"E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade; e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai."(João 1,v. 14)
Sempre existiu algo intangível na Palavra. Mas isso já foi quebrado.