12 de maio de 2009

Saltando

Um dia eu pensei em ter um grande amor. Essas coisas de amor são difíceis...
As pessoas são alvo dos mais diferentes acidentes de vida. Perdem os parentes, os amigos, as paixões; perdem os rumos e vêem as coisas virarem pelo avesso. Emoções, afeto e ternura são passadas pelas mãos das desilusões, transformam-se em desventuras, depressão, doença, e, por fim, nos prostram.
Detonam o grito da existência dolorosa, do calor insuportável, do frio do mundo, do escuro da alma.O desencontro da tristeza é a coisa mais terrível que pode assolar uma pessoa normal. Há a reincidência, o questionamento, a interminável pergunta: por quê? por quê? por quê? por quê, ó Deus!?!?
Por que o meu sofrimento interminável pelas questões da vida que eu não controlo?!
Por que um coração sofre? Por que ele padece e vai às raias do desespero e quase sucumbe?
Eu não sei.
Mas sei que do confronto do nosso coração com o mundo, em colocá-lo diante de nós e de ouvi-lo; de colocá-lo diante de Deus, a gente vai mudando, ganhando perspectiva, olhando pra frente.
O tempo passa, as dores vão virando queixas, as queixas viram procura, a procura vira escolha, a escolha é um salto.
Um salto de amor a gente tem que dar.
Nossa situação existencial, já disseram, é cheia de saltos: a gente salta pra Deus, pra verdade, pro amor.Graças a Deus, na minha vida, eu encontrei e encontro hoje os pousos certos dos meus pulos.
Um Deus que segura, a verdade que existe e chama e o amor dos meus queridos, da minha querida.É uma alegria pular nos braços dos que nos amam. É uma alegria muito grande pular nos braços de alguém a quem você ama e que te ama de volta.
É uma alegria pular nos braços da Priscila.
O salto é necessário, é preciso, é bom, é coisa de Deus, é o imperativo da vida nas suas composições mais profundas, mais elementares.Obrigado, Senhor, pela vida humana. Tenho mesmo que agradecer pelas pessoas que me seguram. E agradecer-lhes, todas. Em especial, agradecer a quem me agarrou pelo coração e me dá ânimo para a caminhada a quatro pernas do futuro.

Um comentário:

Anônimo disse...

Tio,
Eu, que gosto sempre de pular nos seus braços (e nas suas pernas), me senti muito tocado pelo seu texto.
Abraços,
Bomi

Vil Homem Simples


"E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade; e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai."(João 1,v. 14)
Sempre existiu algo intangível na Palavra. Mas isso já foi quebrado.