1 de março de 2007

Pieguice

piegas: adj. e s. 2 gén. e 2 núm., pop., pessoa que se embaraça com pequenas coisas; niquenta; pessoa ridiculamente sensível;assustadiço; chorão.
Lembro-me que uma vez li esta mesma palavra que figura o título do presente texto em um jornal. Não lembro sobre o que era o artigo. Só recordo que dizia assim: ..."não sejamos piegas"...
Eu, com muito descaso do pai-dos-burros, não fui investigar nenhum significado imediatamente.
Mas gostei da palavra. E comecei a usá-la.
"Piegas" pra cá e pra lá.
É engraçado eu só ter me dado conta de que usava uma palavra, que eu não fazia a menor idéia do significado, muito tempo depois de começar a atirar o adjetivo por aí.
E ela tinha força. Aliás, eu não estaria muito distante do significado que eu atribuí a ela, se dissesse que o "meu piegas" era algo como convencido, certo, resoluto, parcial, forte no que se pensa.
E isto tudo foi tirado da expressão "não sejamos piegas".
Eram os tempos de escola. Acho que começo do segundo grau, época em que eu andava enfiado em camisas xadrez e com uma bôina que eu roubara do meu avô. E ele me roubara a boina de volta. E eu estava "piegas" em ser eu mesmo, fosse o que eu fosse.

De vez em quando, a gente faz isso com a vida, na distorção do real, em atribuições de novos nomes a velhos costumes, que nunca mudam na gente, ou que já estão por uma eternidade aí, no ar, e a gente, na expectativa da transformação interna, faz de um objeto alheio instrumento de mudança do nosso mundo.
Só que tem coisas que não mudam, por mais que queiramos adequá-las às nossas disposições semióticas internas, ou sei lá o quê.
O amor não muda, por mais que eu seja um tolo. E raramente ele é piegas. Isto é coisa para a paixão.

Bem, quanto à palavra em questão, deparei-me com a necessidade de romper com minha relação platônica de uma paixão delirante e mutável (uma vez que havia diversos significados para uma mesma palavra, que iam desde "certo" a "parcial"), quando eu soltei que "deveríamos ser piegas!" para um amigo meu.
Ele, sinceramente, me disse: "O André usa umas palavras... Que que é isso de 'piegas'?"
Eu, na fuga, atalhei: "Cara, eu prefiro não falar, para não te deixar sem graça, mas tem lá no dicionário e a gente vai conversar quando você me voltar com o significado."
Ele não voltou até hoje. E com certeza, muito do que eu achava ser piegas não era e não é, alternando os sentidos.
Viva o dicionário!

8 comentários:

Gil disse...

Conversar com vc é tão bom quanto ler seus textos... Estou me amarrando em ser um dos seus mais novos amigos, pra não dizer uns dos melhores... hehe. Só pra descontrair. Grande abraço!

Irene disse...

Viva o dicionário!
Viva às coisas piegas!
Quando amamos (ou não), somos piegas e não sabemos; ou sabemos e não damos a mínima!
Amo muito tudo isso! hehe

Muito bom, André!
Bjs

Ans e Raquel disse...

oh gloria,turibulo do Senhor...é de Deus!Nos estavamos com dicionario na mão para escrever algo no seu orkut,quando lemos o presente blog que tão profundamente nos falou.
Voce tem razão,viva o dicionario!Porem,piegas voce?Nunca...

Dri disse...

Concordo com o Gil no que diz respeito: "Conversar com vc é tão bom quanto ler seus textos..." E pra ser piega [assumida e declarada]: esse blog defrauda porque dá saudade de um bom papinho viajante. hehehe

Renner disse...

Se veio a Itaperuna e não me ligou, vai descobrir uma excelente aplicação pro meu dicionário Houaiss de aproximadamente dois quilos.

Deus do céu!! Ler blog vicia e dá vontade de ter um.

Xr. disse...

Afinal, serei eu um "piegas"?!?

orlicsf disse...

resumo o comentário na necessidade do "ser piegas", como alguns dos amigos acima, de vez em quando.

por bons amigos piegas.
até mais ver.

Bianca Almeida disse...

Muito legal seu texto!! É sempre bom lembrar a importância do dicionário!!

Não sei se este assunto lhe interessa mas achei muito legal, se puder dá uma olhadinha... http://michelsonborges.blogspot.com/2007/03/abiognese-uma-teoria-em-crise-parte-1.html

Vil Homem Simples


"E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade; e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai."(João 1,v. 14)
Sempre existiu algo intangível na Palavra. Mas isso já foi quebrado.