26 de novembro de 2006

Cristianismo Empírico

Um dia um amigo meu começou a me influenciar e dizer que eu deveria participar de um projeto missionário.
Deixei-me levar pela idéia e acabei me inscrevendo num programa, depois de escrever informações cabeludíssimas num formulário que perguntava sobre tudo da minha vida. Como o programa era relacionado a música, gravei uma santa demo e a enviei junto com o tal formulário pra avaliarem se eu poderia participar, dadas as habilidades gravadas e as informações descritas.
Fui aceito, e, em seguida, ligaram, perguntando sobre as informações que constavam do interrogatório.
O próximo passo foi arranjar sustento, grana. Deus, pra variar, forneceu tudo, bem além da conta.
Chorei, ri, fiquei impressionado com o poder de Deus, de ver como as coisas fluem, quando Sua vontade é feita.
E agora, senhoras e senhores, sou um missionário.
Se alguém se assustou, por favor, recobre a normalidade, porque nem eu acredito.
Talvez alguém espere de mim um crente mais-que-exemplar, um super-cristão, que não peca, não sente nada, a não ser amor pelas almas perdidas, um exortador à santidade,
quase um João Batista, uma verdadeira voz do que clama no deserto.
Estou bem longe disso. O que posso prometer, com certo receio do real cumprimento, é que tentarei ser um homem menos vil. Ao menos, mais honesto comigo mesmo e meus defeitos. Mesmo assim, é pela misericórdia do Senhor que isso se dá, não por meus esforços.

Quem saberia dizer o que esperar?
E é aqui que vemos como a vida cristã é algo muito mais prático do que teórico.
Esperamos, mesmo que inconscientemente, um comportamento adequado ou ao padrão imposto ao cristão (não bebe, não fuma, não transa antes do casamento, não joga, não, não, não!) ou ao que está escrito na Bíblia. Eu fico com o que está escrito na Bíblia, pela profundidade e pela verdade que encontro ali.
Mesmo assim, superficialmente e sutilmente, me vejo constantemente tentado e, por vezes, flertando com o pecado (e geralmente é com as mulheres mesmo que flerto pecando).
O que eu espero é que o Senhor me use com o que eu penso ser impossível: eu mesmo.


Vil Homem Simples


"E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade; e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai."(João 1,v. 14)
Sempre existiu algo intangível na Palavra. Mas isso já foi quebrado.