17 de agosto de 2006

Viagem

Lembro que uma vez o professor de Geografia perguntou:

"Quem sabe dizer por que as estradas são feitas em muitas curvas nas serras? Ou melhor, por que as estradas são sinuosas e não são retas quando existe uma serra? Por exemplo, pra ir de Friburgo ao Rio, a serra é toda cheia de curvas. Por que ela não é reta?"

Um momento de silêncio natural, reservado às considerações dos alunos.
De repente, penso alto: "É por causa dos ouvidos."
Obviamente a cara do professor foi de certo espanto.
Nem esperei:
"Elas são cheias de curvas, porque, se fossem retas, não conseguiríamos frear e
chegaríamos lá em baixo muito rápido. A pressão nos ouvidos seria muito grande e eles estourariam!"

Mais um momento de silêncio.
Até hoje não sei se minha resposta foi mais ensurdecedora que as supostas estradas retas.
O professor, talvez morrendo de rir por dentro, diz em tom de estímulo acadêmico: "Não era bem isso que eu esperava ouvir, mas é uma resposta."

Tempos de diletantismo, menininhas, poesia e falta de juízo total.

3 comentários:

Bianca disse...

hahaha
Gaiatice...

tá aí uma coisa que deve sobreviver à maturidade ou à adesão do juízo...

sempre bom ser gaiato!

(pelo menos eu me divirto...)


grata pelo comentário, moço!
Deus te abençoe!
beijos

Lael disse...

Realmente hilário.

Pela sua cara, você deve ter sido o próprio "Joaozinho" durante sua vida escolar.

Ah, moleque...

Bjunda.

Adriana disse...

EX-CE-LEN-TE! hehehe

Vil Homem Simples


"E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade; e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai."(João 1,v. 14)
Sempre existiu algo intangível na Palavra. Mas isso já foi quebrado.