22 de agosto de 2006

Iminência

Um dos momentos mais interessantes de nossas vidas é o da expectativa.
Ele é iminente. Diria também, mais por força do trocadilho atravessado na garganta do que por convicção, que é eminente.
Mesmo porque, é a hora em que ainda não houve nada e tudo o que resta são possibilidades.
A expectativa nos encurrala no canto do destino e diz, com suavidade e não sem certa dose de sadismo, desembrulhando uma caixa de surpresas: "Vejamos o que temos aqui..." Desfaz o laço, abre então o pacote e...
Paramos por aqui, pois, justamente, o tema é a expectativa.

Entretanto, ela é eminentemente desprezível.
Nossas frustrações vêm quase todas daí, da supervalorização do "antes".
Já fiz tanto isso que... deixa pra lá. Deixa rolar.
Melhor nos agarrarmos à esperança paulina. Esperença, de esperar, como quem entra num trem e espera chegar a outro lugar, mais bonito, mais vivo; contudo, nunca duvidando que por onde já passou valeu a pena ter se exposto, na iminência de certezas, mesmo que tais certezas compusessem apenas o grosso tecido da existência.
Talvez andemos na esperança da garantia, a toque de vara, como reféns do tempo.

3 comentários:

don vito andolini disse...

texto maneiro

toujourslaracroft disse...

gosto de visistar a sua pagina e a de Tico.
Sempre tem palavras inspiradas.
Vivo hoje uma expectativa de anos e acho q se nao fosse a expectativa nao teria razao pra tocar a vida e lembrar q o amanha o meu hj.
Fico feliz de te ver de volta a ativa.
abracos.

Lediane disse...

Oi André!sumido!
Gostei muito desse texto, realmente a expectativa é a própria "esperança corrente" que nao merece ser desprezada.
Ve se aparece!um abraço!!

Vil Homem Simples


"E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade; e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai."(João 1,v. 14)
Sempre existiu algo intangível na Palavra. Mas isso já foi quebrado.