22 de dezembro de 2005

Maurits Cornelis Escher



















M. C. Escher é, sem dúvida, um dos maiores artistas de todos os tempos.
Criativo, expunha uma arte muito bem elaborada e, eu diria, muito matemática.
Ninguém soube explorar a Geometria da maneira como esse holandês fez.
Brincando com o infinito, a contradição espacial, o impossível possível, simetrias perfeitas, gradações estéticas interessantíssimas, uma espécie de surrealismo regrado (fosse isso possível); tudo isso ele fez, e bem, muito bem feito.
Deixo aqui algumas obras de que muito gosto, todas retiradas do site oficial: www.mcescher.com .

4 comentários:

William Tiberius Shatner disse...

Figuras legais... vi isso na faculdade, pena que na tela elas ficam pequenas.

abração!
Luiz Felipe Asp

Bianca disse...

Ora, ora, quem eu encontrei blogando... Boa surpresa!

Ele era matemátimo mesmo, não era?
As obras dele me deixam assustada. Os encaixes, os cânones, as cadências...
O Picasso fazia coisas semelhantemente encaixadas umas dentro das outras, só que bem espontaneamente, não dá para comparar num mesmo plano.

Seja muito bem-vindo!

Amanda Amorim disse...

Escher....muito bom, André....nós arquitetos vemos muito isso, uma das minhas primeiras referências na faculdade, mas que me encanto em redescobrí-las a cada dia...

Agora quem tá dando um rolé no seu blog sou eu!
Vc tá onde par de padrinho? Em Friburgo? De férias né...
Beijo e belas postagens....

Lael disse...

Eu simplesmente adoro Escher.
Desdes os idos de 1989 (CEFET-PR Desenho Industrial) até os últimos suspiros da agonizante faculdade de Arquitetura (UFF 2002) sempre tive bastante contato com a essa magnífica obra. Dispensa comentários (principalmente um comentário infame como esse).
Bjunda.
Feliz Ano Novo.

Vil Homem Simples


"E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade; e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai."(João 1,v. 14)
Sempre existiu algo intangível na Palavra. Mas isso já foi quebrado.