21 de dezembro de 2005

Então eu criei um Blog...

Então eu criei um Blog, hoje, logo depois de acordar.
Aqui eu espero escrever sobre bíblia, poesia, vida, contos, choros, música e o que for aparecendo.
Na verdade, as férias são a bênção que proporcinou este patrocínio de tempo livre.
Agora eu não tenho muito o que escrever, mas aguardo os bons ventos que me inspirem e prometo um esforço na bateção de teclado.
As pessoas que aportarem aqui, por favor, sintam-se à vontade, especialmente os amigos de todos os tempos, que foi com os tempos nos juntamos.
Não existe um padrão muito claro em mim, o que eu não lamento, por questões de espontaneidade.
Aliás, nem sei muito o que escrever, assim, de primeira.
Primeiras vezes são coisas interessantes...
Criam comparações posteriores baseadas na falta de experiência prévia do escritor e no mundo que existia, tanto na cabeça do autor quanto no que lhe era externo.
A chave dessas comparações é a percepção, que é uma bem interessante, que mais apela a uma definição poética do que dicionarizada.
Então vá percebendo aí as minhas percepções de mundo...
Nas palavras imortais de Bandeira, que tenho lido ultimamente (aliás, se as pessoas lessem mais poesia e mais bíblia, o mundo seria um lugar muito mais interessante), e que acho, além de uma boa referência em qualquer tempo, um bom texto de apoio para este Blog (e também para a vida), em seu poema:

À SOMBRA DAS ARAUCÁRIAS

Não aprofundes o teu tédio.
Não te entregues à mágoa vã.
O próprio tempo é o bom remédio:
Bebe a delícia da manhã.

A névoa errante se enovela
Na folhagem das araucárias.
Há um suave encanto nela
Que enleia as almas solitárias...

As cousas tem aspectos mansos.
Um após outro, a bambolear,
Passam, caminho d´água, os gansos.
Vão atentos, como a cismar...

No verde, à beira das estradas,
Maliciosas em tentação,
Riem amoras orvalhadas.
Colhe-as: basta estender a mão.

Ah! fosse tudo assim na vida!
Sus, não cedas à vã fraqueza.
Que adianta a queixa repetida?
Goza o painel da natureza.

Cria, e terás com que exaltar-te
No mais nobre e maior prazer.
A afeiçoar teu sonho de arte,
Sentir-te-ás convalescer.

A arte é uma fada que transmuta
E transfigura o mau destino.
Prova. Olha. Toca. Cheira. Escuta.
Cada sentido é um dom divino.

Como escrever qualquer coisa que preste depois de ter citado Manuel Bandeira?
Difícil... bem difícil...
São comparações. Comparações da inexperiência e do mundo de então.
Percepções e comparações.
Perceba e compare à vontade.

3 comentários:

William Tiberius Shatner disse...

Fico honrado com o link para o meu blog, e retribuirei a honra assim que sentar no computador sem morrer de sono.

Abração!

Luiz Felipe Asp

Gu disse...

E ae Andrééé!!

Eu já via vc namorando um blog lá no LACE, tava na hora de você fazer o seu né?? Hehehehe...
Po, realmente, se todos lessem a Bíblia o mundo seria bem interessante. Imagina: geral acorda e resolve falar a verdade pra todo mundo?? O mundo ia pirar!!

Abraços!!

Gustavo Neves

Thiago disse...

Obrigado pelas palavras, André. Birgit Nilsson foi uma de vários outros grandes intérpretes de Wagner, e seu canto realmente me emociona. Quando quiser, minha parca discoteca wagneriana está ao seu dispor. E que realmente possamos estreitar nosso vínculo, muito mais do que irmãos, mas como amigos também. Abraços!

Vil Homem Simples


"E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade; e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai."(João 1,v. 14)
Sempre existiu algo intangível na Palavra. Mas isso já foi quebrado.